Eu X NOKIA: Parte II

9/janeiro/2010

Caros leitores do Condado Azul, eu acabei saindo de férias e não tive tempo de contar para vocês como estava o andamento desta minha situação com a NOKIA.

Depois de ter recebido o aparelho ainda bem mais defeituoso do que como havia sido postado, e com o laudo afirmando que o conserto não seria realizado, voltei a entrar em contato com o Antendimento ao Cliente da NOKIA. No dia 07 de dezembro do ano passado, por volta de 15:45, fui atendido pela funcionária Michele que deixou bem claro que a empresa não poderia fazer absolutamente nada, pois "o laudo é definitivo” e isto é um “procedimento interno da empresa”.

O que é interessante é que mesmo o cliente tendo razão, e a funcionária percebendo isso, o treinamento impõe que eles se mantenham firmes na crença de que uma vez lançado, no sistema, o laudo, nunca mais, em hipótese alguma, nem com a aproximação do fim dos dias, o mesmo pode ser mudado. O administrador do banco de dados deles deve sofrer, se nem ele tem a senha de root do mesmo. O sistema deles toma vida e não pode ser alterado nem desligado. É a Skynet da telefonia mundial ou quem sabe o Joshua. Alguém tem que ensiná-lo que aguerra contra os clientes é um jogo estranho. A única vitória possível reside no ato de não jogar.

Referências a filmes depois, deixemo-nas para a próxima coluna Filmes do Mês, acabei saindo de férias com a mão abanando depois desta ligação. Ontem ao voltar pra cidade, fiquei sabendo que o ônibus da ALERJ, Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro encontrava-se parado desde quarta-feira, e que ontem era o último dia dele aqui na cidade.

onibus_alerj

Fiz minha reclamação contra o atendimento que recebi e espero agora em casa as informações deste processo. Acredito que o mínimo que eles podem fazer por mim é a substituição deste aparelho por um novo, e portanto, foi o que eu pedi. Daqui alguns dias devo receber por correio uma cópia da minha reclamação, e em até 30 dias saberei o resultado de tudo isso.

Assim que receber mais informações sobre o andamento, estarei postando aqui no Condado. Não deixem de dar uma passada aqui por esse mês e no início do próximo para saber como está a situação.

E aproveito para agradecer todo o apoio que tenho recebido de amigos e de desconhecidos depois do primeiro post desta saga. Que isto aqui sirva de exemplo para todos os consumidores brasileiros, que devem ir brigar por seus direitos, porque infelizmente muitas empresas ainda não nos respeitam como deveriam.


Minha futura saga e a NOKIA

1/dezembro/2009

Começo hoje aqui no Condado uma nova série de postagens que vão descrever o árduo trajeto que vou percorrer a espera da solução do meu problema com a empresa NOKIA.

imageNeste post pretendo contar toda a história de um certo aparelho celular e começar com o primeiro episódio do seriado pedido de manutenção, previsto em garantia.

No dia 07 de Dezembro de 2008, prestes a fazer um ano, comprei  pelo site das Americanas.com um aparelho celular NOKIA do modelo 5000 na cor verde. Na época, o valor pago foi de R$ 299,00.

Inicialmente, não tinha o que reclamar do aparelho. Era de fato um pouco lerdo para responder aos meus comandos, principalmente se uma combinação de teclas era pressionada ao mesmo tempo, ele caía num pequeno delay, mas nada que de que eu viesse a reclamar, uma vez que o processador de um aparelho assim não poderia ser muita coisa.

Imagem000Desde o dia 31/05, do nada, ao tirar uma foto, fui presenteado com uma bela linha vertical cortando a imagem de fora a fora. Ao lado eu tenho um exemplo de uma foto tirada com ele. Cliquem para ampliar. Reparem na falha que era constante e sempre no mesmo lugar.

Como precisava do aparelho, e nem era uma falha tão grave que impossibilitasse o uso, fui mantendo-o comigo. Porém, com o fim da garantia do fabricante de um ano se aproximando, decidi mandar o aparelho para o conserto, principalmente depois de durante uns dias ter sido impossível ligar a câmera, depois se normalizando, acreditando que seria apenas uma rápida troca de algum cabo que rebentou ou está com mal contato.

Primeiro descubro que não temos assistência técnica autorizada NOKIA na cidade de Petrópolis. Mas sem problemas, através de um convênio do fabricante com os Correios, eu poderia enviar gratuitamente o aparelho defeituoso para uma assistência no Rio de Janeiro e o mesmo seria devolvido após o conserto para minha residência.

Numa segunda-feira, dia 16/11, me dirijo feliz para a agência dos Correios informada e envio meu aparelho. No dia seguinte a fabricante informa do recebimento do mesmo via e-mail. Sábado agora, dia 28, 12 dias depois recebo outro e-mail dizendo que a Ordem de Serviço foi finalizada e estaria recebendo meu aparelho em alguns dias. De fato, hoje, 01/12 o mesmo chegou.

E qual a surpresa ao abrir a caixa e ler os papeis que foram  enviados com o aparelho? De acordo com o Relatório Técnico, o laudo informou que havia sido realizado imageum “reparo anterior inadequado de seus componentes internos, comprometendo desta forma o funcionamento de seu circuito eletrônico”, acompanhado de um detalhe numa foto (ao lado, clique para ampliar) dos pinos que realizam a conexão do aparelho com a bateria. Não reparei como estava o aparelho antes, nem muito menos quando comprei, e não sei se foi o fato de um pino estar (ou ser, quem sabe?) mais curto que os demais.

Agora eu penso, se o aparelho é novo e foi a primeira vez que foi desmontado, desconsiderando a possibilidade de má-fé de alguém envolvido nesta história, o que eu evito ao máximo pensar que foi o que aconteceu, temos duas opções: ou a NOKIA me vendeu um aparelho remanufaturado, cuja própria assistência autorizada não reconhece o reparo ou houve um erro na fabricação deste exato aparelho em si.

Enfim, o aparelho voltou e a NOKIA se recusou a consertá-lo. Não desisti por aí. Se de fato o aparelho sofreu algum reparo antes de ser vendido para mim, insisto na troca do mesmo. Não paguei preço de novo para obter aparelho remanufaturado.

Ahh, para terminar minha saga, resolvo tentar ligar o aparelho. Afinal, vai que de repente o problema se consertou miraculosamente! Ao colocar a bateria, nenhum sinal de vida. Imagino eu, pobre mortal que desconhece os protocolos que possivelmente descarregaram-a inteiramente para transporte, ou outra razão aparentemente absurda assim. Ao colocar na tomada para carregar, ainda nenhum sinal de vida. Deixo meia hora, e adivinhem o quê? Nenhum sinal de vida!

Enviei meu celular com um defeito na câmera, (e ocorreu uma vez de ele perder a memória de chamadas realizadas, mas isso entro em detalhes em outro post), e o recebi 15 dias depois, com um laudo dizendo que a garantia não vai cobrir, e ainda por sinal, um celular quase inútil. A facilidade dele de peso de papel continua funcionando.

Abaixo o laudo enviado. Clique para ampliar.

DSC00718

Esta semana entrarei em contato novamente com o atendimento ao consumidor NOKIA. Mantenham-se atualizados que estarei postando aqui as mais recentes desta saga, que só pretendo terminar quando meus direitos de consumidor estarem sendo respeitados.


Alguém aceita um MP2x10^23?

11/outubro/2008

Uma coisa que acontece no mundo atual que me intriga muito é a imaginação do povo em criar novos produtos. Vivemos numa era de tecnologia onde já é possível ver que a grande tendência é a integração dos serviços e produtos em um só aparelho. Quem se lembra de quando o celular só fazia chamas e tinha uma “agenda” para 50 números?

celulares_da_segunda_geracao_com_camera_vibrador_mp3_memoria Pois bem, essa integração de recursos também gera algumas precipitações do homem, especialmente em dar nomes aos produtos. Um caso que me irrita profundamente é a questão dos MPx, onde x varia de um até o infinito. Parece que as pessoas esqueceram qual é a origem da sigla.

Se você possui um MP3, todos sabem que ele é um tocar de áudio. Um MP4, de vídeo. Algum fabricante com uma generalização muito apressada, ou querendo mesmo explorar o nome para que a população menos informada acredite no produto, resolveu integrar mais alguma coisa nele e denominá-lo MP5. Daí para o MP6, MP7, MP8, e MP9 (sim, eu já empregaram MP9 num celular/câmera/MP4 player) foi apenas uma questão de tempo.

Agora, vocês devem estar se perguntando por que eu me irrito tão facilmente com essa nomenclatura. Vamos voltar um pouco na história, na época dos MP3 (voltar na história pra mim seria voltarmos à era dos vinis, mas deixa pra lá) e observarmos o seguinte:
celulares_da_primeira_geracao_com_cameraQuando lançaram o produto MP3, na verdade MP3 Player (reprodutor de MP3), todos imediatamente ignoraram o player do nome do aparelho. Isso é mais que normal e aceitável. Na verdade MP3, em si, é um codec de áudio, ou seja, uma forma de compactar uma gravação de som para que ela ocupe menos espaço. O MP3 Player obviamente, é um aparelho capaz de reproduzir áudios que foram gravados com essa tecnologia.

O mesmo aconteceu com o MP4 Player, capaz de reproduzir arquivos do tipo MP4, um codec capaz de compactar vídeo. Ou seja, a diferença entre um MP3 Player, e um MP4 Player é o fato de ele ser capaz de reproduzir vídeos.

Como já disse, o fato do povo chamar os aparelhos respectivamente por MP3 e MP4, fez com que qualquer um com uma pequena observação criasse o MP5 e outros. Mas por favor, MP5 não existe ainda! Aquele que diz que já viu um, deve estar se referindo ao assim denominado aparelho. Mas, como mostrei com os dois exemplos acima, um suposto “MP5 Player” seria um aparelho capaz de reproduzir mídia do tipo MP5; que vem a ser um tipo que não existe ainda e nunca existiu. Só o fato de ter câmera, celular, lanterna, apontador laser, TV digital, ou mesmo um carro, não é suficiente para que o dispositivo venha a ser chamado de MP5! Muito menos MP6, e por aí vai! Qual é o problema dos fabricantes com a expressão “MP4 Player + Celular”? Eu sei que não é apelativa economicamente, mas pelo menos estaria correta e suportável tecnicamente.


Olá mundo!

6/outubro/2008

Olá mundo!

(Fazendo uma analogia ao fato de eu estar aprendendo uma nova linguagem de programação, e aproveitando para dizer que o condado ainda é lembrado pelos seus editores.)


Móvel dentro da caixa

29/agosto/2008

Estou numa fase de mudança o que me leva a procurar várias coisas sobre esse novo contexto. Indo direto ao assunto: depois de horas procurando mobílias na internet achei algo que simplesmente é perfeito, ainda mais para mim, que mudo bastante e que odeio o monta e desmonta de mobília.

Pena que deve ser absurdamente caro…

Fonte:10 Clever Pieces of Clever Transforming Furniture: From Tetris Tables to Rooms in a Box via Ah! Tri Né!